terça-feira, 24 de abril de 2012

Barbárie maranhense:o fracasso do estado oligárquico na segurança da sociedade civil!



O assassinato do jornalista Décio Sá expõe de maneira indelével toda a barbárie que os cidadãos maranhenses estão sujeitos numa sociedade desprovida das mínimas garantias de civilidade!

Como todos sabem, Décio Sá era um escriba que trabalhava e defendia as elites políticas dominantes do estado. Mas nem isso foi suficiente para impedir a selvageria que o atingiu, uma amostra em que se transformou o Maranhão sob a tutela da oligarquia decadente. Os crimes de encomenda, tão comuns entre os anos 70 e 80 do século passado, estão de volta e se somam aos mais de 53 assassinatos ocorridos no mês de março desse ano na região metropolitana de São Luís (http://www.jornalpequeno.com.br/2012/4/15/iml-registra-53-assassinatos-no-mes-de-marco-na-grande-sao-luis-193952.htm). Há uma impunidade generalizada e a sociedade está à mercê dos bandidos!

O estado do Maranhão há muito demonstra sua incapacidade política e administrativa de se opor a essa avalanche bárbara de crimes hediondos. O número de assassinatos crescentes, o colapso do sistema prisional - com decapitações ocorridas em rebeliões-, as constantes greves dos policiais civis e militares por melhores salários e a corrupção no judiciário, são apenas consequências da falência generalizada do estado moldado à forma das oligarquias!

A permissividade com a corrupção, em qualquer nível, desencadeia ações desprovidas de leis civilizacionais, abrindo espaço para verdadeiras gangues se instalarem no espaço público e privado, fazendo da força bruta o exemplo da ordem natural das coisas! O exemplo da corrupção que vem de cima, de quem deveria zelar pelo estado de direito, é o passaporte para o mundo da criminalidade desenfreada. Uma coisa está ligada a outra.

A fraqueza e a incapacidade da governadora e de seus aliados são o exemplo límpido do emperramento do estado sob a tutela da oligarquia. Acéfalo, imobilizado e dominado por interesses particulares, o estado de direito sucumbe ante a maré de barbárie que invade nossas vidas!

Que a morte bárbara do talentoso jornalista Décio Sá seja o sinal para a sociedade civil, as forças políticas democráticas e progressistas, enfim, para todo o povo, tomarem as rédeas dos nossos destinos em nossas mãos e reconquistarem o espaço público, derrotando definitivamente a oligarquia, seus aliados e as consequências dos seus mandonismos.