domingo, 24 de outubro de 2010

A pax americana: subserviência aos vivos ou paz para os mortos!




O site norte-americano Wiki Leaks
acaba de divulgar milhares de documentos secretos das forças armadas dos EUA sobre a guerra do Iraque e, como todos presumiam, os dados são aterrorizantes: das 109.032 mortes, 66.081 são civis, 23.984 são os guerrilheiros (rotulados como insurgentes), 15.196 são das forças do governo iraquiano e 3.771 são das forças de coalizão. O que quer dizer que 63% das mortes ocasionadas pelos invasores são de civis!

Mas não é só isso. Relatórios também dão conta que tortura, estupros e assassinatos sumários estão ocorrendo diariamente no Iraque ocupado. As denúncias são tão graves que o comissariado da ONU exigiu explicações do governo norte-americano por essa prática de lesa-humanidade.

A invasão e dominação do Iraque começou em 2003 com apoio unânime das nações imperialistas e com grande aceitação da mídia fâmula. O argumento era que Saddam Hussein estava armado até os dentes e com "poderosas armas de destruição em massa". O mundo estava em perigo e era necessário o xerife botar ordem no planeta.

Vendiam a guerra como "justa", "pela democracia", pela "liberdade do povo do Iraque"... Mas a face do imperialismo é outra e os grandes oligopólios logo mostram o que realmente interessa e está por trás da "liberdade"... O petróleo, o mercado, o capital.

Mais uma vez só os tolos ou os mal intencionados aceitaram os argumentos democráticos do imperialismo. Assistimos agora uma repetição com o Irã. "Armas de destruição em massa", "falta de democracia"! Nada como o Tio Sam ir lá para restaurar a "ordem"!

De quanto petróleo os consumidores norte-americanos precisam para manter seus possantes carros V8? Quantos iraquianos, afegãos e, futuramente, iranianos, precisarão morrer para que os consumidores norte-americanos se sintam satisfeitos no seu consumismo irracional e desenfreado?

Esse é o estranho mundo comandado pelos oligopólios imperialistas e sua principal nação, os EUA.

E isso é porque ainda há mentecaptos metidos a jornalistas que acham que essa história de luta de classes, imperialismo são coisas que não existem mais. É com cretinos dessa natureza que ainda temos que conviver. Haja ignorância!

2 comentários:

  1. Prezado Cristiano:
    O Iraque é só mais um campo de extermínio, como é Gaza, como foi a Yugoslávia na década de 90, como é o Sudão e países vizinhos,Serra Leoa,Libéria,entre outros. O Extermínio está em andamento e a Mídia corporativa encobre solenemente. Só ouvimos as mesmas balelas: grupo de "rebeldes, insurgentes,etc" explode carro-bomba e mata XX. Você acha que alguém conseguiria manipular explosivos com esta tranquilidade com zilhões de tropas de ocupação? É claro que não, esse morticínio é incentivado e facilitado, se não for de autoria das próprias tropas de ocupação.
    O Irã, com certeza, será o próximo alvo e não será em 2011, será este ano mesmo. Desculpas "false flag" brotarão das entranhas do imperialismo e sua "prostituta", a Midia para justificar mais um Campo de extermínio de seres humanos iguais a nós, que já fomos "eixo do mal", iguais às crianças queimadas com fósforo em Gaza em 2009, iguais à população de Falujia, morrendo de câncer pelo urânio empobrecido usado pelos bonzinhos do Ocidente.
    Esse horror todo está com os dias contados - a Terra é um organismo vivo e vai nos mostrar sua força, que sempre foi e sempre será grandiosa e independente de quem esteja "ocupando" sua superfície.
    Um grande abraço,
    Ronald Mattos

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Ronald por seus comentários.

    É revoltante ver tantas mortes estúpidas causadas pelo imperialismo e com consentimento da mídia e de grande parte da opinião pública.

    Temos que encontrar forças para sair dessa barbárie. Denúncias como essas do site wikileakes servem para desmascarar esses fascistas contemporâneos.

    Abaixo o imperialismo!

    Saudações.

    ResponderExcluir

Seu comentário será publicado após moderação.