segunda-feira, 25 de outubro de 2010

"Maranhão e Dilma" e outros comentários.

MARANHÃO E DILMA.

Publicado por Walter Sorrentino em 24/10/2010

O Estadão hoje, em coluna de opinião assinada por João Domingos e outros, alega que a “irritação de Lula” sobra até para os aliados. Supostamente, Lula “acha que Flávio Dino está se queixando à toa… Tem denunciado fraude na vitória de sua opositora ao governo do Maranhão, o que pode atrapalhar o trabalho de união em torno de Dilma no Estado”.

Se não for especulação, é estranho. Na verdade, incongruente.

Não foi Flávio Dino ou o PCdoB que moveram processo para apurar fraude na apuração, vencida por Roseana Sarney por 0,08 % dos votos evitando o segundo turno. Foi o Ministério Público. O PCdoB e Flávio aguardam a apuração.

Estranha a questão de união em torno de Dilma no Estado. Flávio liderou a oposição, dentro do campo Dilma no primeiro turno. Dos 50% do eleitorado, apoiadores de Flávio e do outro candidato, mais da metade apoiaram Flávio e Dilma, defendida pelo candidato.

No segundo turno, a campanha Dilma unifica o PCdoB em todo o país. Aliás isso é público no pronunciamento do PCdoB maranhense, até as pedras sabem disso, que dirá Lula. Se há preocupação com o volume de votos da campanha no Maranhão, melhor seria procurar razões no comando estadual da campanha, monopolizado pelo grupo Sarney que não representa, em absoluto, o sentimento das parcelas mais avançadas e dos movimentos sociais. Aliás, nem o PT maranhense está unido nessa matéria.

Agora, há um fato ruidoso nisso tudo: no primeiro turno foi desconsiderado, liminarmente, entendimento consagrado no Conselho Político da campanha Dilma, que oficialmente deliberou respeito aos diversos palanques estaduais que apoiariam a campanha nacional. Não foi o que ocorreu no Maranhão. Flávio Dino não recebeu nenhuma sinalização, nem mesmo após o término do segundo turno. PCdoB e PSB no Estado fizeram sua parte. O PCdoB segue isso no segundo turno. Quem não respeitou compromissos foram outros.

O Maranhão não precisa dessa “união” supostamente pregada por Lula. Estamos com Dilma, certamente. Há um governo eleito e há uma oposição, como deve ser.

O Maranhão precisa de respeito, só isso.

http://www.waltersorrentino.com.br/2010/10/24/maranhao-e-dilma/


Observações sobre o texto do Sorrentino.

Chamo atenção à declaração de que "a campanha Dilma unifica o PCdoB em todo o país".

A meu ver essa passagem não trata de "lulismo" ou outra coisa qualquer, mas de que o PCdoB realizou um grande e exaustivo 12º Congresso em 2009, onde aprovou um novo programa, que, entre outras coisas, trata do necessário acúmulo de força na esquerda para o crescimento de um partido com as características socialistas e de defesa dos movimentos sociais como é o partido comunista. Sem um projeto nacional de desenvolvimento com valorização do trabalho não há futuro para a nação. São esses os parâmetros para a opção Dilma pelo PCdoB.

A candidatura de Flávio Dino teve como móbile principal, além da sua própria vontade, a compreensão e o apoio do coletivo partidário nacional e local. O partido abriu mão de um dos seus mais brilhantes representantes na câmara federal porque acreditou no projeto! Essa é a questão determinante e não a aceitação ou não de Lula e de parte do PT.

Sem Lula e às vezes contra Lula a candidatura saiu e obteve uma grande vitória, redesenhando a toponímia da política maranhense.

Portanto, nada mais incoerente e infantil do que cobrar um posicionamento individual, particular e específico de Flávio Dino em apoio a José Serra só porque Sarney apóia Dilma. Exigir isso seria como esquecer ou abstrair toda a teia política e partidária que configurou a disputa eleitoral e social em nosso estado e no país. Seria retroagir o pensar político ao mais primitivo empirismo - só as sensações imediatas são o fundamento da verdade -, seria a consagração da política paroquial e bairrista que tanto agrada aos comentaristas locais.

Como dizia o saudoso Walter Rodrigues "a Sé não cabe na Santaninha, mas a Santaninha cabe na Sé".

4 comentários:

  1. Espero que seja mais uma daquelas intrigas do PIG, mas se for verdade; o que o PT nacional quer mais do PC do B/MA, que coloque a cangalha nas costas e carregue o clã Sarney no lombo. É evidente que a responsabilidade tem que ser deles que usaram ostensivamente as imagens de Lula e Dilma para vencer a oposição por 0,08%. O PC do B fez e faz sua parte pedindo voto a Dilma e garantir o avanço das conquistas do governo Lula . Agora, colocar a gangalha pros sarneys montarem e posarem de baluartes da vitória de Dilma em detrimento da opisição de esquerda e dos movimentos socias no Maranhão, é demais.

    ResponderExcluir
  2. É isso caro Robson.

    São por essas e outras que o PT nacional pegou um "calor" da direita nesse segundo turno. Como sempre subestimam a direita e desprezam aliados históricos...

    Mas como disse nos meus comentários, apoiamos Dilma não pelo lulismo ou petismo ou qualquer um desses movimentos sociais-democráticos que tão bem caracterizam o centrismo do PT, mas porque entendemos ser o melhor caminho para o avanço da verdadeira luta social.

    Saudações.

    ResponderExcluir
  3. Eu passei aqui pra ler mesmo. Muito bom. Se possivel visite o meu blog e possamos seguir juntos por la
    abrass

    ResponderExcluir
  4. Caro José Maria.

    Vou visitar com certeza.

    Saudações.

    ResponderExcluir

Seu comentário será publicado após moderação.