quinta-feira, 15 de julho de 2010

A farsa e a tragédia de José Serra.



Em "O 18 Brumário de Luis Bonaparte" Karl Marx disse, citando Hegel, que todos os fatos e personagens da história ocorrem, por assim dizer, duas vezes, a primeira como tragédia e a segunda como farsa.

Pois bem. A farsa agora se chama José Serra querendo trazer à superfície o fantasma fascista da UDN de Carlos Lacerda. A última vez que o Brasil foi comparado a uma "república de sindicalistas" o país viu tanques nas ruas e 25 anos de ditadura militar.

A tragédia: em 1964 a "santa aliança" das elites aristocráticas apelava para os generais para que desse fim as "reformas de base" conduzidas pelo presidente João Goulart. Um dos argumentos estampados nos jornalões da época (que, não por coincidência, são os mesmos de hoje) acusavam a transformação do Brasil em uma "república de sindicalistas", numa "nova URSS" e defendiam os valores da Tradição, Família e propriedade.

O resultado foi o golpe militar, 25 anos de ditadura, corrupção, uma dívida externa de 225 bilhões de dólares, hiperinflação, estagnação econômica e a maior desigualdade entre todas as nações do mundo.

A farsa: em 2010, querendo assustar os setores médios e tradicionais do eleitorado brasileiro, José Serra, que em 64 estava do lado de Jango e contra o golpe, agora reedita a velha e surrada palavra de ordem das aristocracias reacionárias.

O que quer Serra? Outro golpe militar? Uma passeata da TFP, tendo Geraldo Alckmin e a opus dei na vanguarda? Pretende assustar os eleitores? Quer reunir em torno dele essa massa acrítica que vive dos preconceitos que caem das mesas da grande aristocracia nacional e internacional?

Seja o que for que Serra queira ele não vai conseguir. Primeiro porque ele não está sendo original, essas palavras, exatamente como ele proferiu, já foram ditas em outros tempos por outros atores. Segundo porque com essa atitude Serra mostra que está perdido, sem discurso, sem programa, desesperado, não passando de uma farsa da história.

O PT pode ter seus erros e equívocos, mas nem um se compara ao odor que exala dos subterrâneos da política brasileira, causados pelo chafurdo das decadentes aristocracias da direita e de seus fâmulos de quinta e sexta ordens.

2 comentários:

  1. Cristiano, jamais o povo brasileiro irá permitir que volte o tempo de violencia e estupro da liberdade politica no brasil. o povo irá ganhar mais uma vez com dilma 13. e no maranhao flavio dino tambem irá enterrar de vez a sequela dos tempos de ditadura militar. um grande abraço camarada

    ResponderExcluir
  2. Existe uma elite de esgoto que acharia ótimo um novo golpe de estado... mas o povo não quer e não deixa... O povo vai radicalizar pelo caminho que já vem seguindo e eleger Dilma e Flávio Dino !!!

    Saudações.

    ResponderExcluir

Seu comentário será publicado após moderação.