domingo, 4 de abril de 2010

Aviso a Roseana: Lula exalta professores "que exigem, que fazem greve"


O presidente Lula encerrou na quinta-feira (1/4) a 1ª Conferência Nacional de Educação destacando que as cobranças dos professores, inclusive as feitas com a deflagração de greves, tornaram possível a seu governo implementar políticas públicas que iniciaram uma “pequena revolução” no setor.

A manifestação presidencial coincide com o movimento grevista dos professores estaduais de São Paulo, desprezado e reprimido pelo Governo José Serra (PSDB), e também do magistério de Minas Gerais e do Rio de Janeiro.

“Governo bom é o que tem capacidade de pôr em prática aquilo que ouve em cada rua, em cada escola, em cada fábrica, em cada banco. Por ouvir é que nós fizemos essa pequena revolução que se iniciou na educação brasileira. E isso se deve ao mérito e à compreensão deste companheiro (o ministro Fernando Haddad) e da equipe dele, porque um técnico não ganha jogo. Ele precisa de bons jogadores e da torcida organizada, que são os educadores deste país, que vão à luta, que brigam, que exigem, que fazem greve, que negociam, mas que, muitas vezes, não são valorizados”.

Lula e o ministro da Educação defenderam a fixação de uma política nacional de remuneração dos professores e criticaram os estados que resistem em implantar o piso de R$ 1.024 para o magistério da rede pública de educação básica, por jornada semanal de 40 horas e sem exigência de diploma de curso superior.

Alguns governadores chegaram a recorrer ao Supremo Tribunal Federal para evitar o pagamento do piso, que os ministros consideraram constitucional.

Para Lula, acabou o sonho de ser professor cantado em música, porque a carreira do magistério foi sucateada nos últimos 30 anos:

“Eu não me conformo que alguém ache que um piso de R$ 1.020 é alto para uma professora que toma conta dos nossos filhos dentro da sala de aula. Não é possível a gente depositar confiança em um professor ou em uma professora para tomar conta dos nossos filhos, sabendo que, no fiml do mês, ele não vai levar para casa sequer o suficiente para cuidar da sua própria família”, disse o presidente provocando demorados aplausos dos professores e estudantes que formaram o plenário da Conae.

Lula concordou com uma proposta do ministro Fernando para que seja instituída uma mesa de negociação de uma política de reajuste do piso salarial dos professores, a exemplo da que foi formada para discutir o salário mínimo.

http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_secao=8&id_noticia=127017

2 comentários:

  1. A pergunta é onde está ROSEANA?
    O Aeroporto Internacional de Parnaíba está pronto, agora são apenas seis horas de vôo até Lisboa, o Piauí está repleto de obras, estradas, hospitais, estádios, Teresina ampliou seu serviço de metrô. Terá um senador do PT, os partidos de esquerda fazem o que há de melhor na educação, saúde, segurança e outras. O piso salarial dos professores está sendo gradativamente pago.
    Onde está ROSEANA? Crianças morrem em hospitais, seu secretário de saúde esbragueja delírios de impunidade, a educação está inerte, escolas depredadas, sucateadas, a Segurança...Corre Pessoal, porque a polícia invade as casas sem mandato, bate, violenta.
    Governar é cuidar das pessoas...do grupo.
    Onde está ROSEANA? A candidata que já virou picolé, agora parece ter virado gás. Uma política que não se explica, que repete o mesmo, que não atenta para as transformações culturais de nosso tempo, de nossa gente, de nosso Maranhão.
    Agora, compactua com outros que se encaminharam ao STF para não pagar o piso.
    Onde está ROSEANA? Quem sabe, preparando mais uma manobra, aumento de salário surpresa, manobra de populista. O que antes se reclamava da força, da potência, agora se volta aos reclames pela impotência, de uma política que não fala, que não se explica, que não se manifesta, que não gere, instala-se como nunca na história desse país, a crise do ofício do político, que não mais se dirige ao estadista arrogante, mas ao político tradicional, cuja linguagem não incorpora o necessário vocabulário para saber lidar com as transformações da cultura. Paradoxalmente, a mesma sumiu diante do que parece estar nascendo uma nova cultura política.

    ResponderExcluir
  2. Bem lembrado caro anônimo: onde anda Roseana Sarney ?

    Desde a derrota nas prévias do PT que ela simplesmente desapareceu. Viajou para São Paulo e sumiu do mapa !

    Talvez seja isso que vc diz, o medo de "uma nova cultura política" que está nascendo.

    Obrigado pelo comentário.

    Saudações.

    ResponderExcluir

Seu comentário será publicado após moderação.