segunda-feira, 15 de março de 2010

Flávio Senador: a proposta de Silvério dos Reis!


Circula pela rede uma proposta escrita para que Flávio Dino seja candidato ao senado tendo Roseana Sarney como governadora. Mais uma vez, através dos seus fâmulos de quarta e quinta ordens, a velha e carcomida oligarquia tenta cooptar a única esperança de renovação da política maranhense.

A diferença é que dessa vez o recado veio do lado que não se esperava. O bilhete é tão "chapa branca" que o articulista 'esqueceu' (?) que "o Senado ainda é o ninho dos Coronéis..." do nordeste!

Coincidência ou não, justamente no dia 15 de março de 1789, rememora-se à traição de Joaquim Silvério dos Reis à Conjuração Mineira, também conhecida como Inconfidência Mineira. Foi ele o responsável por delatar ao governador da Província de Minas Gerais os planos de libertação e independência que haviam sido construídos por Tiradentes. Em troca de alguns benefícios pessoais, o traidor mudou de lado e entregou seus antigos aliados.

Desde então, a figura do traidor é particularmente execrada pelos brasileiros.

Será coincidência que o artigo saiu no mesmo dia da traição?

6 comentários:

  1. É meu companheiro, quem deu todo o apoio em 2008 para Flávio Dino foi o grupo de Washington Luís, trouxe a São Luís vários Ministro incluindo a Dilma, e consegui até que o Lula gravasse mensagem pedindo voto para Flávio. E o traidor quem é mesmo? Quem foi procurar os algozes de 2008?
    Antonio

    ResponderExcluir
  2. Caro Cristiano,
    lembrei de uma letra dos Titãs que diz: NOME AOS BOIS. EU só deixo aqui o ponto de interrogação (?).
    Sucesso!!!

    ResponderExcluir
  3. Obrigado Chico.

    Mas acho que me excedi nas críticas. As pessoas tem todo dirteito de propor qualquer coisa. Concordar ou não com sua proposta é outra coisa.

    De qualquer forma isso mede um pouco a temperatura do debate nos bastidores.

    Saudações.

    ResponderExcluir
  4. Caro Sr. Antônio.

    A luta em 2008 era contra as velhas e atrasadas oligarquias maranhenses, no caso em questão, representadas por João Castelo.

    Esse era o centro da luta: criar condições para uma alternativa progressita, democrática e de esquerda que superasse as disputas intraolígárquicas que a séculos dominam a política do nosso sofrido estado.

    Quem mudou de lado de 2008 para 2010, portanto, é quem apoia a facção hegemônica da oligárquia. Abandonando assim, a construção de uma alternativa viável e de esquerda para nosso estado.

    Mas de qualquer forma admito que exagerei nas críticas e irei me redimir.

    Obrigado pela sua participação.

    Saudações.

    ResponderExcluir
  5. Oi Cristiano
    Não se desculpe não. Eu só lamento a debate basal que as pessoas que querem a aliaça com o grupo Sarney estão promovendo para propor a retração da candidatura Dino.Isso sim, é um insulto, uma trição ao povo. Esquecem que o governo Lula salvou Sarney, pois ele é até então importante a governabilidade, mas vender o Maranhão em troca disso sob o auspício de uma aliança petista e sarneysta deve ser reflexão de travesseiro a quem propõe.
    Esse negócio que Washinton apoiou Dino para justificar a atual posição dele, não passa na menor análise, pois é esdruxula. Se isso fosse um determinante, como explicar o posicionamento diamentralmente oposto que ele tomou? A meu ver o problema é dele, do grupo que o segue, é um problema político também que vale a reflexão dele e do segmento que ele representa dentro do partido dos trabalhadores. Se a carapussa não cabe, porque se preocupar.
    Outro aspecto, a manutenção da oligarquia deve ser caracterizada como traição ao povo do Maranhão, que esperou que um filho preparado politicamente pudesse desafiar esse mandonismo visceral, o qual só vassalos e inglórios hão de submeter, acredito que a analogia a Silverio cabe nesse sentido.
    O debate vai ser quente, pois muita coisa está em jogo, mas o jogo é bruto e cujo resultado ao vencer a aligarquia é um glorioso Maranhão, do povo efetivamente.

    ResponderExcluir
  6. Obrigado Robson.

    A crítica política está feita e nisso eu não nego à razão. Entretanto exagerei na comparação.

    De qualquer forma no que diz respeito ao conteúdo de classe, os petistas que apoiam Sarney estão cometendo um grande equívoco, sem apresentar qualquer argumento político que sustente suas convicções.

    Perderam o debate político e só resta a discussão sobre cargos e benefícios da oligarquia.

    Obrigado pelo comentário.

    Saudações.

    ResponderExcluir

Seu comentário será publicado após moderação.