domingo, 31 de janeiro de 2010

A oligarquia humilhada!!!


Não deixa de ser humilhante para oligarquia Sarney implorar para que Flávio Dino não saia candidato ao governo em 2010, como apregoa em seu jornaleco desse domingo. A vaga ao senado, já ofertada para o PFL e ao PT, está "naturalmente" reservada para o PCdoB. Essa é a velha oligarquia atrás dos seus mesquinhos interesses. Louco é quem montar nesse "cavalo selado".
Sarney e seus fâmulos de segunda, terceira e quarta ordens devem entender e aceitar que o PCdoB luta pela concretização de um terceiro pólo de poder nesse estado. Um pólo progressista, democrático e de esquerda, que supere o mandonismo oligárquico, principal motivo do atraso do nosso estado. Eles têm que entender e aceitar esse fato que é irreversível.
Entenderão pela política ou pela força das ruas, mas irão entender!

sábado, 30 de janeiro de 2010

AO POVO DO MARANHÃO !



‘Fé na vida, fé no homem, fé no que virá’

Ao longo da história do nosso Partido, sempre estivemos em busca dos mesmos objetivos: desenvolver o Brasil, com soberania e justiça social. Do mesmo modo, temos muita fé no Maranhão. Não nos conformamos com a amarga contradição que marca a nossa realidade: temos rios, mar, campos, terras férteis, povo trabalhador e empresários empreendedores; mas mesmo assim nosso estado ocupa o último lugar em desenvolvimento e convivemos com injustificáveis níveis de pobreza e exclusão social.

Essa situação é tão forte que às vezes parece invencível. Mas isso não é verdade. Nós não precisamos e não devemos nos conformar com essa realidade. O governo Lula deu o exemplo e mostrou ao Brasil e ao mundo que é possível, sim, mudar, diminuir a pobreza e ao mesmo tempo gerar desenvolvimento. Queremos fazer no Maranhão o que Lula está fazendo no Brasil.
Hoje o Maranhão quer mudanças, que nos permitam olhar para frente, com esperança, com otimismo, confiantes de que estamos no caminho certo em direção a um futuro melhor para nossas famílias. Mudança para valer, que transforme o nosso imenso potencial humano e natural em prosperidade para todos.

O Maranhão precisa de um novo projeto de desenvolvimento, aberto a todos, que aproveite o que há de melhor na capacidade criativa dos nossos trabalhadores, dos nossos empresários, da nossa comunidade acadêmica, para gerar novas soluções para antigos problemas, priorizando os mais pobres, os pequenos, os tradicionalmente esquecidos, com honestidade e participação popular.

Esse projeto será obra de um grande movimento das forças políticas progressistas, da sociedade civil, de todos os homens e mulheres de boa vontade. Há um chamado para que não apenas viremos a página da história, mas escrevamos um novo livro: o livro do Maranhão forte, democrático, justo e desenvolvido.

Por isso, conclamamos todas as forças que querem transformar o nosso estado para melhor a se unirem em defesa do Maranhão.

Façamos um amplo debate político, visando à elaboração coletiva de uma proposta capaz de mudar o Maranhão. E mobilizemos todo o povo para a grande tarefa que a história nos desafia a desempenhar.

São Luís, 27 de janeiro de 2010.

A Comissão Política Estadual do PCdoB no Maranhão

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Morte na venezuela e a mídia manipuladora.



Um jovem de 15 anos foi assassinado nesta segunda-feira durante uma manifestação no estado venezuelano de Mérida. O rapaz, que era militante do movimento estudantil bolivariano, levou um tiro e morreu. Além do jovem, outra pessoa e mais nove policiais do estado foram feriados em Mérida.

O ministro do Interior, Tareck El Aissami, explicou em declaração à rede estatal "Venezolana de Televisión" que havia um grupo de jovens expressando sua posição política favorável às medidas da revolução bolivariana. Porém, na zona do protesto, há edifícios residenciais e, o que se acredita, é que foi desse local o disparo contra o grupo de rapazes do movimento bolivariano estudantil.
COMENTÁRIO.

Independente do mérito do que ocorre na Venezuela vejam abaixo como essa notícia apareceu no G1 da Globo:
Confrontos na Venezuela matam dois.
Suspensão de sinal de canal de TV oposicionista motivou protestos.


E essa postagem do Estadão:


É ou não é manipulação da informação!

Depois ficam reclamando quando mostramos a necessidade de um acompanhamento social dessas concessões públicas. Já está na hora de fazermos uma profunda reforma nos meios de comunicação social no Brasil. Afinal, são concessões públicas apropriadas privadamente por um punhado de famílias oligárquicas.
Pela democratização e controle social da mídia!

sábado, 23 de janeiro de 2010

O enigma do dragão.



Estava esperando ancioso os números da economia chinesa referentes ao ano de 2009. Como sabemos, a partir de 2008 o mundo capitalista vive uma crise sistêmica, a maior desde 1929. Tanto neoliberais ortodoxos, como liberais keynesianos e a meia dúzia de trotskistas que ainda andam por aí, faziam coro com a eminente decadência da "economia de mercado" chinesa. O senso comum satisfaz sua cretinice simplesmente chamando a China de capitalista. Mas, mais uma vez, a China assombra o mundo e, ao contrário de todo capitalismo, cresce 8,7% em seu Produto Interno Bruto.

Esse feito só tem comparação com o realizado em 1930 pela então URSS. Naquele tempo, a crise devastou o mundo capitalista, ficando imune apenas a União Soviética, que cresceu 20%, enquanto as economias capitalistas amargavam o desemprego e a ruína. Vários estudiosos apontavam o fato da economia soviética ser demasiadamente isolada do sistema capitalista, que a deixaria fora das especulações que antecederam a "quebra da bolsa de Nova Iorque".

Mas nem isso serve para China. Com uma economia integrada ao sistema, o gigante do oriente aceita as disputas de mercado mas sem abrir mão do planejamento e da ação estatal. Esse modelo híbrido de economia de mercado sobre uma base planificada e estatal, chamada de "socialismo de mercado", não chega a ser uma novidade na construção do socialismo. Guardadas as devidas diferenças, foi Lênin quem primeiro elaborou a chamada "Nova Política Econômica", NEP, em 1921 na então URSS. Tal política é a convivência entre medidas socialista (estatização e planificação de bancos, terras, subsolo, transportes, energia e grandes empresas) e capitalistas (liberalização do comércio, dos salários, de empresas particulares e atração de capital estrangeiro para investimento direto). Ela é coerente com a idéia de que o socialismo é uma transição entre dois sistemas distintos, por isso mesmo sua forma híbrida, com a preponderância do poder político nas mãos dos trabalhadores.

Com esse modelo a China nos últimos 20 anos tirou 400 milhões de pessoas da pobreza extrema. Isso significa mais de dois Brasis. Bem mais que a antiga URSS e completamente impossível para qualquer país capitalista em qualquer época da história. É óbvio que a China têm problemas e que vai continuar tendo. Mas com 1,3 bilhões de habitantes, 4 mil anos de história civilizacional, uma língua oficial, o mandarim, que não tem tempos verbais (não existe pretérito, presente e futuro dos verbos) e a 3ª extensão territorial do planeta, a China mais uma vez passa pelo teste de fogo e desmente os apressados que só enchergam no seu crescimento um capitalismo como outro qualquer.

A pergunta que eu queria fazer desde 2008 permanece: se a China é simplesmente um país capitalista como outro qualquer, então como ficou imune à sua crise sistêmica? Só há duas respostas possíveis: ou a China inventou um "novo capitalismo", deslocando a centralidade do ocidente para o oriente, um capitalismo sem feições liberais (?), sendo atualmente o centro do capitalismo mundial ( o que é pouco provável pois que o dólar continua sendo o equivalente das trocas internacionais), ou de fato a China é um país não capitalista, isto é, socialista.

Eu fico com a segunda resposta.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

André Singer: “a exclusividade da coalizão PT e PMDB não faz bem ao Brasil”.


Nesses períodos de intensas especulações políticas para sucessão estadual e nacional, não custa nada lembrar o artigo do professor do Departamento de Ciências Políticas da USP e ex- secretário de Impresa e porta-voz da Presidência da República no governo Lula André Singer. Em artigo publicado em 21 de dezembro de 2009 na Folha de S. Paulo, ele argumenta, na defesa de Ciro como vice da Dilma, que a aliança incondicional com o PMDB pode levar o PT a cometer o mesmo erro do PSDB quando se juntou ao PFL (hoje DEM). Para ele "Tal junção descaracterizou o PSDB, como a de hoje com o PMDB ameaça o PT. Menos pelas concessões programáticas que acarreta do que pela falta de conteúdo que implica".

O petista argumenta que "Desde há muito o PMDB deixou de ter apego a um programa. Talvez uma análise minuciosa mostre que o ciclo programático do partido se esgotou quando promulgada a Constituição de 1988. Desde então, a sigla se transformou em um condomínio de lideranças regionais, com as mais diversas inclinações". Ainda sobre o PMDB diz: "A ausência de um ideário comum possibilita maior flexibilidade na ocupação de espaços de poder. Tanto apoia a opção neoliberal do segundo mandato de Fernando Henrique quanto o caminho desenvolvimentista do segundo mandato de Lula. Nunca se ouviu falar de um debate interno ao partido sobre os diferentes projetos que tais governos representam".

Para ele, o PT, "consciente de que não tem a maioria dos votos no país, é correto buscar uma aproximação com outras correntes, sabendo que aliança se faz com aquele que pensa diferente. Mas, para um partido de esquerda que deseja compor uma frente eleitoral, o diálogo esperado é com os vizinhos, sejam de centro-esquerda, como o PSB e o PDT, sejam de esquerda, como o PCdoB e até mesmo o PSOL. Pular sobre essas forças para unir-se ao PMDB sem discussão programática alguma é negar o sentido ideológico da escolha".

Esse é o debate nacional que os companheiros do Partido dos Trabalhadores travam, como é da sua característica, no ambiente da sucessão de Lula. Quero dizer que como comunista compreendo a aliança nacional do PT com o PMDB, mas acredito que essa aliança nacional não deve implicar em uma 'correia de transmissão automática' para os diversos estados da federação.
Acredito também que a opinião do Singer tem caráter nacional, mas também serve para definir parâmetros de discussão nos estados.
Mas, e aqui no Maranhão, como se dará o debate dentro do PT?

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

O MOTIVO DO MEDO: PESQUISA EXATA JÁ APONTA FLÁVIO DINO COM 19%.


Corre pelos bastidores políticos os números da nova pesquisa Exata para governador. Divulgada por grupos caxienses, a pesquisa confirma o sentido apontado pelas anteriores, a de setembro do IPOP, a de outubro do PSDB e a de dezembro do Instituto Sensus encomendada pelo grupo Sarney. Os números apontam para a estagnação, com tendência à regressão, de Roseana Sarney, o teto de Jackson Lago e o crescimento progressivo de Flávio Dino. Ambos estão respectivamente com 45%, 23% e 19%.

Embora as pesquisas tenham metodologias um pouco diferentes, nas de novembro e dezembro Flávio Dino já aparece com dois dígitos, aproximando-se rapidamente de Jackson Lago. Os números da Exata confirmam essa tendência. Isso tudo acontece em um cenário em que o candidato comunista ainda é, por um lado, menos conhecido que a atual e o ex-governador e, por outro, enfrenta a máquina de contra-propaganda oligárquica, que espalha boatos da sua não candidatura. Se levarmos em conta que o PT ainda pode somar com a aliança de esquerda que sustenta a candidatura de Flávio Dino - que já conta com o PCdoB e o PSB - então o potencial de crescimento do comunista é ainda maior.

Não custa nada lembrar que pesquisas sempre são uma fotografia de um determinado momento e circunstância. Mas o crescimento sustentável de Flávio Dino indica que o desejo de transformação e mudança do povo maranhense não são apenas desejos subjetivos, mas sim uma realidade objetiva, fruto do desenvolvimento da luta política em nosso estado e da necessidade de avançarmos no processo civilizatório.

Esses números apontam, mas uma vez, para a responsabilidade dos agentes políticos democráticos, progressistas e de esquerda, dos movimentos sociais e lideranças populares, para construção de uma alternativa que supere o flagelo oligárquico que nos prende ao atraso.

Segue atalho para postagem que mostra a comparação estatística das três pesquisas anteriores: http://pneuma-apeiron.blogspot.com/2009/12/flavio-dino-se-consolida-nas-pesquisas.html

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

OLIGARQUIA SARNEY TEME PERDER PALANQUE DA DILMA NO MA.


A atrasada oligarquia Sarney se deparou com um fato inusitado na sucessão estadual de 2010: poderá perder o palanque nacional da Dilma se as esquerdas - PT, PCdoB e PSB - se unirem para disputa eleitoral no estado. É isso que as pessoas comentavam ontem em Bacabeira durante o lançamento da refinaria premium da Petrobrás. Se a candidatura das esquerdas se consolidar, como têm mostrado amplos setores democráticos e progressistas da sociedade, no mínimo, Dilma não aparecerá no estado durante a campanha. Isso tiraria grande força eleitoral de Roseana, dividindo algo que eles já contam como certo.

Por isso mesmo os fâmulos da oligarquia se apressam, até de maneira ridícula, a negar qualquer possibilidade de uma frente de esquerda e a "exigirem o cumprimento da aliança" por parte do PT. Utilizam a velha e surrada tática de mentir, confundir e enganar. Mas negar a realidade é sempre uma tarefa cruel para a razão. Ao atacar a candidatura das esquerdas, a candidatura de Flávio Dino, eles ao mesmo tempo e a contra-gosto acabam divulgando mais e mais o nome do comunista. Não há um único dia que o nome de Flávio Dino não esteja nas bocas e mentes de milhões de maranhenses.

A inauguração da refinaria mostrou que o povo está com Lula e Dilma, mas não está com a oligarquia. Muito pelo contrário: esperam uma novidade no cenário estadual, aguardam para ver as políticas públicas do governo Lula, da esquerda, realmente adotadas no nosso carente estado. Querem reconhecer a mudança efetiva nas bandeiras e propostas das esquerdas unidas.

A aliança das esquerdas em torno do nome de Flávio Dino: esse é o medo da oligarquia.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Flávio Dino: "é preciso ter uma alternativa que tire o MA do atraso".


CANDIDATURA A GOVERNADOR*.
Intensificaram-se nos últimos dias os debates acerca de minha pré-candidatura a governador. Isso é muito bom, pois demonstra o enorme potencial de polarização e crescimento da candidatura.

Reitero mais uma vez a nossa crença fundamental: a esquerda maranhense, o campo democrático-popular, os progressistas precisamos ter uma alternativa própria na eleição estadual do Maranhão. Uma alternativa que nos tire do atraso, olhando para a frente, para o futuro. Não há nenhum fato novo que altere essa visão, já tantas vezes manifestada.

Sou o presidente estadual do PCdoB e componho a sua direção nacional, inclusive a comissão executiva (comissão política nacional). Em todas as instâncias partidárias temos debatido a situação do Maranhão, e até aqui as deliberações são todas no mesmo sentido: manter a pré-candidatura e viabilizá-la, com a celebração de alianças políticas e sociais.

Subjetivamente, estou feliz e tranquilo, pronto para uma grande batalha. Quando decidi renunciar ao cargo de juiz federal, depois de 12 anos de exercício de tão estimada função, demonstrei estar disposto a desempenhar todas as tarefas que fossem necessárias para a construção de um Brasil e de um Maranhão à altura das nossas esperanças.

Portanto, qualquer mudança de rumos não depende da minha vontade pessoal. E sim de um debate amplo e público, no âmbito do meu partido e dos demais partidos que manifestam uma simpatia inicial em favor do meu nome.

Assim seguiremos, sem ansiedades, e com muita dedicação à causa da transformação de nossa sociedade.

Mais uma vez, aí vai: o PCdoB apresenta a pré-candidatura de Flávio Dino para governador do Maranhão. E eu aceito, com muita alegria e disposição.

sábado, 9 de janeiro de 2010

Compras dos caças: "a decisão é geolpolítica" afirma presidência.

Caça francês Rafale.

A pseudo-crise que a mídia fâmula do imperialismo, as "viúvas de 64" e meia dúzia de desinformados tentaram criar foi por água abaixo! O vazamento criminoso do relatório da FAB sobre as questões "técnicas" das aeronaves só serviu para o governo ratificar sua escolha geopolítica pelo caça francês Rafale.

Para o Planalto, o dado mais relevante dos relatórios técnicos é a inexistência de veto aos três concorrentes. Desde o início do F-X2, outros três caças foram riscados pela FAB. O argumento definitivo, do ponto de vista da Presidência, não está presente na análise técnico-militar, mas na avaliação de políticas estratégica e industrial. Nesse quesito, o Rafale não teria rival. O pacote que começa com 36 unidades envolverá a compra de um total de 120 caças. Nesse plano, há três exigências: transferência de tecnologias, reserva de mercado e soberania irrestrita de uso das aeronaves.


Muito diferente da época neoliberal de FHC (PSDB), onde o projeto F-X1 foi empurrado com a barriga até sua extinção e as compras de armas não podiam contrariar os interesses norte-americanos. Nessa época ficou nos anais da diplomacia brasileira o caso em que o ministro de Relações Exteriores, Celso Lafer, teve que tirar os sapatos para entrar nos EUA, sinal da máxima subserviência que o governo tucano tinha com o império do norte.

Mas o tempo agora é outro. De maneira altiva o governo trabalha com o fortalecimento da autonomia política e militar, o que poderá resultar na consolidação de pactos internacionais múltiplos e soberanos, fora da esfera norte-americana, e que possam aumentar a capacidade de defesa de nosso país sem a dependência de decisões externas.


É exatamente por isso que a oposição neoliberal tentou, tentou e mais uma vez não conseguiu impedir a nação de trilhar seu caminho no rumo da igualdade, da soberania e da liberdade.

Brasil 1 x Entreguistas neoliberais 0.

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

CASTELO UM ANO DEPOIS: LIXO, ENGANAÇÃO E INCOMPETÊNCIA.


Além de ser cassado por compra de votos o prefeito João Castelo (PSDB) deveria responder a mais um processo na sua longa ficha corrida: o de estelionato eleitoral. Um ano depois de assumir a prefeitura, aumentar o próprio salário - o maior do Brasil - e reunir a maior equipe de incompetentes desde à trágica gestão de Gardênia Golçalves (ex-prefeita e sua esposa), o governo municipal agora apela para a enganação, típico das carcomidas oligarquias maranhenses. No primeiro dia do ano distribuiu um jornaleco cheio de aleivosias para dizer que "já trabalhou muito pela cidade".

Vejamos a que ponto chega a enrolação financiada com o dinheiro do contribuinte. Segundo o jornaleco da prefeitura os 'trabalhos' seriam os seguintes:

1. Bolsa família, Projeto "Minha Casa, Minha Vida", revalorização do centro histórico, serviços de drenagem urbana. Ora, nada disso tem origem na prefeitura. A gestão municipal não tem massa crítica para formular projetos de interesse social. São todos de iniciativa federal, do governo Lula. Justamente o governo e a pessoa que o direitista e reacionário João Castelo sempre combateu e vai combater de novo agora em 2010.

2. Escolas construídas. Ora, todas essas escolas já estavam sendo construídas ainda na gestão passada, sendo concluídas ao longo de 2009. Nem uma dessas escolas foi pensada, planejada ou construída na gestão Castelo, até porque o Secretário de Educação é o mesmo desde a época do Jackson prefeito.

3. Hospitais. o "Grande Hospital do Angelim" já está pronto... Na maquete apresentada por Duda Mendonça. Agora é a Clara Comunicações que construiu o "Posto de Saúde do Coquilho" e a "maquete do Hospital Central de Emergência". Todos já estão prontos e funcionando... Na cabeça delirante dos gestores municipais.

4. Turismo. Os turistas podem se encantar com os montes de lixo que se acumulam pela cidade. Quando já estiverem fartos dessa beleza que a prefeitura nos deu, podem tomar banho nas praias poluídas com coliformes fecais... Realmente, um ano depois, a cidade está uma maravilha!

5. Asfalto. Depois de recuperar "150 KM de asfalto nas ruas a avenidas da capital"... Vai ter que fazer tudo de novo, pois o 'sonrisal' desmancha com as primeiras águas do até agora tímido período de chuvas. O povo já apelidou o prefeito de "João Buracão"!!!

6. Trânsito. É onde o governo mais trabalha (!!??). A indústria das multas ultrapassou o limite do aceitável, assim como os engarrafamentos. Simplesmente não há nenhuma perspectiva de ação da prefeitura para amenizar ou solucionar o estrangulamento das vias públicas da cidade. A situação só tende a piorar... Salve-se quem puder!

7.Transporte Público. Esse não apareceu no jornaleco... Por que será? Será porque o transporte público é um dos mais caros, inseguros e ineficientes do país? Será porque Castelo não vai adotar a "Tarifa Zero" nos finais de semana como prometeu o Duda Mendonça? Ou será porque vamos ter um aumento no preço das passagens logo agora no início do ano? Como diz aquele outro jornaleco chapa branca "mistérios"...

8.Tranparência na gestão. Êpa, isso também não estava na 'jornal da enganação'!! Ora, não faz parte do vocabulário da gestão Castelo a palavra licitação! Castelo é "ixpiriente" nessas coisas. Das últimas vezes que tinha comandado o executivo - na época da ditadura militar e na trágica gestão Gardênia - a atual constituição cidadã de 1988 nem existia. Por isso Castelo desconhece (conforme seus interesses) as leis de regulação e transparência na gestão do dinheiro público.

Como vimos, um ano depois de eleito sem programa de governo - apenas com o programa eleitoral do Duda Mendonça - a gestão de Castelo está completamente perdida. Pobre São Luís... Teve sua consciência comprada durante às eleições e agora tem que aguentar a enganação e a incompetência de Castelo e dos seus miquinhos amestrados com dinheiro público...

Mas eles não perdem por esperar...


sábado, 2 de janeiro de 2010