sábado, 21 de novembro de 2009

Seja bem vindo Mahmoud Ahmadinejad !


O irã é sem dúvida o país mais ameaçado pelo imperialismo norte americano. De fato, os EUA nunca 'engoliram' a revolução islâmica de 1979 que tomou o poder do absolutista e bilionário Xá Reza Pahlavi, títere do governo ianque. Nada disso teria importância no ocidente se o Irã não estivesse em cima das maiores reservas petrolíferas da terra. Pela primeira vez na contemporaneidade realizou-se uma revolução popular, democrática e anti-imperialista sem o auxílio ideológico e organizativo do marxismo-leninismo, isto é, ocorreu uma revolução social guiada pelo islã! Para nós ocidentais pode parecer estranho, mas no oriente médio, desde as 'cruzadas medievais', o islã é a garantia da unidade e do nativismo daqueles povos.

Outro mito da contrapropaganda imperialista é que não há democracia no Irã. Ocorre que há eleições diretas para presidente e para o parlamento. Há também um colegiado de líderes chamado "Conselho dos Guardiães" que institucionalizam a vida política do país. O Irã é, portanto, um país democrático. Se é para cobrar democracia, então por que os liberais imperialistas nada dizem sobre o absolutismo infame da Arábia Saudita? Lá não há eleições, prevalece uma interpretação radical do Coorão e apenas uma família de bilionários manda e desmanda naquelas terras. Nunca vi uma crítica à Arábia Saudita e ao seu feudalismo político. Aqui, mais uma vez, o que determina o que é ou não democrático é a permissão à livre ação dos oligopólios do imperialismo. Por esse critério a Arábia Saudita é democrática juntamente com o Iraque e o Afeganistão.

Outro mérito do Irã é ser o único país que denunciou o genocídio ao qual os Palestinos estão submetidos por parte dos sionistas israelenses. Foi o único que teve coragem de dizer que "o holocausto judeu ocorreu na Europa, por nações européias, por brigas imperialistas, e os Palestinos não tiveram nada haver com isso". Esse discurso do presidente iraniano foi distorcido pela mídia fâmula do imperialismo, com total apoio dos racistas sionistas israelenses e seus lacaios genocidas.

Por tudo isso desejamos boas vindas ao presidente iraniano. Que bons negócios sejam relizados. Que os povos irmãos do Brasil e do Irã possam viver em um mundo de paz e hamonia. Que as nações possam ser autônomas na escolha dos seus destinos. Que o espírito dos povos da antiga Pérsia reforçe as convicções e as determinações da revolução islâmica.

Autonomia e liberdade para o Estado Palestino com sua capital em Jerusalém!

Longa vida e vitórias para revolução islâmica iraniana !

Força , coragem e determinação ao novo Brasil livre do imperialismo !

6 comentários:

  1. Depois você vai dar as boas vindas a Kim Jong-Il.
    E aproveitando o ensejo.
    Cesare B. go Rome!.
    Allan Kardec morreu, por acaso?

    ResponderExcluir
  2. Daria não, dou às boas vindas a Kim Jong-Il !!

    Para falar a verdade eu adoro quando a República Popular e Democrática da Coréia do Norte demonstra toda sua autonomia nacional no domínio da energia nuclear e a mídia fâmula do imperialismo, os EUA, Japão e Europa só ficam reclamando, reclamando e não podem fazer absolutamente nada... Eu adoro isso !!!

    Sou a favor do asilo político a Césare Batisti.
    Já basta o que o governo brasileiro já fez no caso da Olga Prestes, também acusada de terrorismo. O governo brasileiro não pode entregar Batisti aos fascistas italianos.

    Conheço três 'Allan Kardecs'... Sinceramente espero que todos estejam bem... Quanto aos outros não sei do que falas !!!

    Saudações e volte sempre.

    ResponderExcluir
  3. Assim como se festejou a reunificação da Deutchland. Eu torço para a reunificação da Coreia. A incorporação do entulho comunista pela economia de mercado. A Coréia democrática é um exemplo investiu na educação. Grandes marcas são coreanas, a Sansung, a Kia, a Hiundai, me parece que a LG. A coreia fica entre dois gigantes, China e Japão. É preciso acontecer a reunificação e o fim do regime totalitario e ditatorail do norte.
    Quanto a Olga Benário, ela era agente da URSS para cooptar Prestes e assim o fez. Um documentário informou que ele ainda era virgem, até se relacionar com ela. O pior é que depois de tudo, Prestes ainda se acertou com Vargas.
    Eu sou Elvis Presley, numa homenagem ao revolucionário roqueiro norte-americano, assim como existem inúmeros Alan-Kardec e mesmo Lenin, Albert Eintein, Maicon, Roberto Carlos etc.

    ResponderExcluir
  4. Não sejas bobo. A tranferência de capitais norte-americanos para Coréia do Sul, o seu financiamento incomum, deveu-se única e exclusivamente por causa da guerra com a Coréia do Norte. Algo semelhante ocorreu com o Japão (Plano Marshal do oriente).
    Portanto, o crescimento da Coréia do Sul não se deve ao seu capitalismo, muito ao contrário, se deve a uma profunda intervenção do banco central norte americano (estado), subdisiando créditos para investidores privados tranferirem tecnológia e know How para eles. E eles é claro aproveitaram.
    Não foram, portanto, as 'forças livres' do mercado que arrancaram a Coréia do Sul do seu feudalismo atávico, nem porque eles sejam superiores ao resto do mundo, mas sim porque utilizaram de poupudos créditos públicos (norte americanos)para financiar seu desenvolvimento. Com esse mesmo dinheiro, até o Suriname seria uma nação super desenvolvida.

    Quanto a Prestes e a Olga se informe melhor, largue de assistir tv e vá procurar livros de conteúdo para se informar.Então porque ela era agente comunista e judia tinha que ir para o campo de extermínio? Então vc é fascista! Assuma sua postura e arque com as consequências da sua escolha!
    Para mim Elvis Presley (o cantor)era um débil mental! Se seu nome é em homenagem a ele: azar o seu ! Afinal ninguém escolhe o nome que está usando. Nem de rock eu gosto, dispenso esse lixo pop.

    Se era só isso: passar bem.

    ResponderExcluir
  5. vi a entrevista dele sobre o Homossexualismo e assino em baixo tudo o que ele disse...

    ResponderExcluir
  6. Pois eu discordo.

    Sou contra as posturas homofóbicas principalmente as de origem religiosas.

    Entretanto não é essa a questão.
    O fato é que a mídia fâmula do imperialismo pega uma questão particular - que diz respeito a relação do mundo islâmico com as liberdades individuais - e universaliza como se o Irã e todo o seu povo não pudessem escolher seu próprio destino e resolver seus próprios problemas.

    No fundo a mídia faz proselitismo com a questão do homosexualismo, pois mesmo no Brasil, considerado um país 'liberal', há constantes e ininterruptos ataques a cidadania gay...

    Portanto isso é uma crítica de fachada! A intenção que está por trás disso é preparar a opinião pública mundial para um ataque e/ou invasão do Irã!!!

    Quem não se lembra do "monstro" Saddam Houssein e suas "armas de destruição em massa"?

    ResponderExcluir

Seu comentário será publicado após moderação.